23 de out de 2011

Conto nº 11: Exposição de sentenças

Primeira inspiração Bob Dylan // Depois uma boa ideia // Meus dedos estão dormentes // Encosto uma unha na outra // Percebo as sensações aguçadas // As formigações incomodam // Peço um minuto // Vou alongá-las para ver se a angústia // Passa // Necessidade de nicotina // Tudo se fecha inclusive os bares // Se pelo menos tivesse alguma birosca aberta // De preferência // Próxima da minha casa // Acabei de cortar uma frase desse texto // Achei meio prepotente // Não quero bancar o ridículo e // Cortei outra frase // Idiota // Puta que pariu que vontade de fumar // Tô na seca literalmente // O indivíduo está há na merda há dias e gasta toda grana dele em // Sonhos gordurosos de leite condensado da padaria e // Tudo que faz é pensar no tempo // Cigarros // Come // Pensa nos dias em que conviveu com sua avó // Sonhos gordurosos de leite condensado da padaria e // Já morreu // Pensa nas palavras que ainda vagam pela sua cabeça // (...) // Gasta toda grana dele // A avó dizia que quando ela morresse, ele sentiria muito a sua falta // Era conhecido na família como o "puxa-saco da vó" // Sofrera quando a velha partira dessa para a melhor // Não sofrera tanto // Não como tinha que ser // Não como sua avó achava que ele sentiria // Teve culpa // Chorara // Adolescente de treze anos // Não sentira tanta dor // A prima do seu pai fizera maior escândalo // Uma tsunami misturada com terremoto no Japão // Dor e luto // Não era competente o bastante // Fazia grandes alusões // Nada que fosse // Possível // Quando ele morrer // Sua cabeça // Me deixa quieto // ? // Tem uma imagem que não sai da cabeça // Música // Volume // Palavra // Nada é linear // Hurricane // Não gosto muito // Ouço-a quando penso na mulher com véu no deserto // Imagem em preto e branco // O véu que esconde o cabelo da muçulmana // Afirmava uma presença // Preenchia um espaço // Não era teatro // A forma era trágica // Um véu que voa no vento é trágico // Uma figura andando no meio fio // . // Um dia não devia ter só vinte e quatro horas // Necessidade de ter que me dar bem aos trinta anos de idade // As coisas têm que acontecer agora // Ou vou ter que aguentar os escárnios da vida // Me apontando os dedos inchados pelo ódio me recriminando pelas ruas em forma de parente // A titia simpática e engraçadinha // Uma velhinha maluquete e meio bêbada que adora saber da rotina dos sobrinhos queridos // Não quero pontuar essa frase nem os parágrafos que não existem // Mas as ideias vão dar certo // Não penso mais em sexo // Estou só com trinta anos de // Idade // Como não pensar mais em sexo nem em prazer // Um broxa contaminado pela (in) felicidade do instante que ainda há de te pregar uma peça // Não vai chegar nem ao fim da trepada // E que fim seria esse // Caos total // Não pode haver destruição da alma sem cigarros // Então adio o final da existência para semana que vem // Só me resta enganar o espírito e mentir que quero ser um burocrata // Um corporativo // Empresário comprometido com a sustentabilidade do planeta // Vou dar palestras // Isso // Elaborei planilha // Há um lindo painel explicativo // Os estandes estão abertos à visitação senhores // Coffe breake // Cafezinho // Biscoitinhos // Fudeu // O vício volta a atacar // Há dias que fiquei longe dessa praga // Não não é isso // Não comentei com ninguém // Eu estava a caminho do teatro dentro do // Metrô // Não estava mais fudendo com ninguém // _*%&$¨¨*}@# // Estava bem de verdade // Se fosse no mês passado estaria tirando a camisa pelas pernas e o short pela cabeça // Criar imagens é algo genial // Caí na perdição novamente // Conversei com um cara que queria morrer // Queria levar uma surra até perder os sentidos // Queria ter a cabeça estourada // Adicionei no MSN

Nenhum comentário:

Postar um comentário